PT | ENG | FR | ES
Regressar à Homepage
Utilizador Senha
Novo utilizador? Registe-se aqui
PERGUNTAS FREQUENTES
Seventh Framework Programme - Capacities EU Funding

WORKSHOP AGROBIOFILM

O desenvolvimento do polietileno (polímero baseado em petróleo) sob a forma de um filme para cobertura do solo permitiu revolucionar o sistema de produção e a rentabilidade de muitas culturas. No entanto, a utilização destes plásticos causa impactes ambientais muito significativos, devido aos problemas associados à sua gestão durante e, principalmente, após o ciclo da cultura. A utilização de polietileno oxo-degradável, com fragmentação em pequenas partes, não resolve o problema ambiental. A solução passa pela utilização de matéria-prima de origem vegetal (e.g., amido de milho e óleos vegetais) em polímeros certificados como biodegradáveis e compostáveis.


O projecto AGROBIOFILM desenvolve-se no âmbito do 7º Programa Quadro da União Europeia, tendo-se iniciado em Abril de 2010 e conclusão prevista para Março de 2013.
O consórcio AGROBIOFILM é formado por um núcleo principal de 3 PMEs: SILVEX, Indústria de plásticos e papéis, S.A. (coordenadora do projecto, Portugal), BIOBAG (Noruega), e ICSE (França). As outras PMEs: Hortofrutícolas Campelos (Portugal), Olivier Mandeville (França) e Explotaciones Agrarias Garrido Mora (Espanha) são os utilizadores finais, onde se realizam os ensaios de campo. As Universidades e Centros de Investigação, subcontratados para realizarem o trabalho científico são: Instituto Superior de Agronomia (Portugal), Centro Tecnológico ADESVA (Espanha), Université Montpellier 2 (França) e Faculty of Agricultural Sciences, Aarhus University (Dinamarca).

O objectivo geral do projecto AGROBIOFILM é superar as barreiras técnicas que actualmente impedem os plásticos biodegradáveis de se tornarem um substituto viável aos mulch film de polietileno. Isso implica a optimização da formulação biodegradável, em função da cultura (e.g., duração do ciclo e porte) e das condições edafo-climáticas da região. Os parâmetros de processamento industrial do mulch e a utilização de reciclado biodegradável são outras componentes da investigação em curso, tendo por objectivo produzir um mulch sustentável, quer em termos ambientais quer em termos económicos.


O projecto AGROBIOFILM desenvolve um mulch biodegradável e compostável no solo, como alternativa ao mulch tradicional (polietileno), testado nas culturas de morango (em Portugal e Espanha), melão (Portugal), pimento (Portugal), podendo ser, posteriormente, utilizado em outras culturas com características semelhantes. Está também a ser testada na vinha, como alternativa inovadora, tanto ao mulch de polietileno (usado em algumas regiões de França), como ao solo nu e aos tubos de protecção/crescimento.


O mulch agrobiofilm pode ser enterrado no solo, juntamente com os restos da cultura, resolvendo os problemas da contaminação dos solos com mulch de petróleo e custos associados à sua remoção do solo e encaminhamento para centro de recolha autorizado.


A utilização de plásticos biodegradáveis na agricultura é apoiada ao abrigo da “Estratégia Nacional para programas operacionais sustentáveis de organizações de produtores de frutas e produtos hortícolas”. Em Portugal, os agricultores enquadrados numa OP podem beneficiar de uma comparticipação de cerca de 31% no preço do mulch biodegradável, através da medida “7.6 – Utilização de plásticos biodegradáveis”.
 

 

Com esta acção pretendemos divulgar alguns dos resultados já obtidos nos 2 primeiros anos de trabalho, entre os quais se podem referir:


Aplicação do mulch AGROBIOFILM ao solo com as mesmas alfaias utilizadas no mulch convencional de polietileno;

 

Manutenção do mulch AGROBIOFILM em bom estado, cumprindo a função para que se destina durante todo o ciclo das diferentes culturas hortícolas;

 

Rendimento e qualidade dos frutos sem diferenças significativas relativamente às culturas cultivadas em mulch de polietileno (melão, pimento e morango).

 

Aumento significativo do vigor e expressão vegetativa das videiras plantadas com mulch AGROBIOFILM e possibilidade de realizar primeira vindima comercial 18 meses após plantação, com rendimento de 18,0t/ha (Chardonnay/SO4).

 

Regressar ao arquivo de notícias ››